sexta-feira, 10 de junho de 2016

LIBERDADE
Quinta-feira gelada em São Paulo. Um dia perfeito para caminhadas despreocupadas. Paulistanos e turistas movimentavam as ruas do bairro da Liberdade. Na saída do metrô, a Praça da Liberdade é um ótimo lugar para aproveitar o sol anêmico; depois de observar as ofertas das barracas da feira, uma esticada até a loja da Rua dos Estudantes, que oferece maravilhosos produtos de porcelana japonesa entre outras coisas. Uma festa para os olhos. Depois pode se bisbilhotar na loja da esquina com a Rua Galvão Bueno, onde há de tudo que você não precisa, mas coisas bem interessantes.
Uma senhora me pergunta se eu sei que igreja é aquela na ponta da Praça. O nome é lúgubre, mas é a única lembrança local dos tempos coloniais: Santa Cruz das Almas dos Enforcados. (A curiosa não gosta do nome.) Para quem não sabe era ali nas redondezas que se executavam por enforcamento os criminosos. Em 23 de julho de 1821 as autoridades da cidade receberam uma ordem régia para levantar uma forca no lugar mais público desta cidade e vizinho do Cemitério da Glória, complementando a instalação da Junta de Justiça no ano anterior.  A Igreja mantém a capela dos Aflitos (1774), que ficava no meio do cemitério e foi vendido pela Mitra e loteado para residências.
Enquanto caminho pela Rua Galvão Bueno, lembro-me de que há algum tempo este é mais um bairro oriental do que propriamente japonês, pois os coreanos e chineses se misturam aos japoneses que ainda permanecem nesta parte da cidade. É mais uma região turística, com uma grande oferta de restaurantes e produtos típicos do Oriente. Há lojas especializadas em cosméticos (já vi uma fila enorme de jovens para entrar em uma delas).
          Agora, é a vez da Avenida Liberdade. Há várias casas antigas bem conservadas, embora tenham uso comercial. Ali fica a Casa de Portugal, fundada em 1935 por portugueses e brasileiros. O projeto do prédio é do Arquiteto Ricardo Severo, sócio de Ramos de Azevedo. A inauguração ocorreu no quarto centenário de São Paulo. Mais adiante outra igreja. A Catedral Metodista de São Paulo, de linhas sóbrias.
Enfim, o Largo da Pólvora – outro lugar histórico da cidade. Ali funcionava um paiol de pólvora até 1832, que as autoridades da cidade mandaram demolir em 1832, mas a população passou a chamar o lugar de largo da pólvora. O nome, entretanto, só foi oficializado em 1978 pelo prefeito Olavo Setubal. Atualmente, o jardim japonês foi criado por ocasião dos setenta anos da imigração japonesa e encontra-se abandonado.

Próxima parada: Estação São Joaquim do Metrô.