segunda-feira, 17 de outubro de 2016

TRENS E POESIA


 Um trem personalizado: Caen, Normandia, França, junho 2015.
Bom humor com mau tempo. (Foto: Hilda Araújo.)
“Partir! 
Nunca voltarei,
Nunca voltarei porque nunca se volta.
O lugar a que se volta é sempre outro,
A gare a que se volta é outra.
Já não está a mesma gente, nem a mesma luz, nem a mesma filosofia.” 

(Álvaro de Campos, heterônimo de Fernando Pessoa, in Poemas.)


Nenhum comentário:

Postar um comentário