terça-feira, 6 de dezembro de 2016

FILHOS DE PEIXE
  
Kirk Douglas (1916), uma lenda de Hollywood, já soprou (será?) cem velinhas e ao longo desse tempo pode constatar o sucesso do filho Michael (1944) como ator e produtor. Claro que o rapaz teve momentos difíceis, mas parece que aos 72 anos ficou mais calmo. Não deve ser fácil crescer em família de estrelas, principalmente, se o rebento resolver trabalhar no mesmo ramo.
Judy Garland (1922-1969) foi criança prodígio, grande estrela do cinema até ser consumida pelo uso de drogas. Lisa Minelli (1946), a filha dela com Vincent Minelli (1903-1986), seguiu-lhe os passos e conquistou o estrelato bem jovem. Quem não se lembra dela em Cabaret (1972) ou em New York, New York (1977)?
Jamie Lee Curtis.
Tony Curtis (1925-2010) não era apenas um homem bonito, mas um ator excelente. Um dos seus casamentos foi com Janet Leigh (1927-2004), premiada como melhor atriz coadjuvante em Psicose. O casal teve duas filhas e ambas se tornaram atrizes. Jamie Lee Curtis (1958) é atriz e escritora e sua filmografia inclui Um peixe chamado Wanda e Ferocidade Máxima – com John Cleese (Monty Python) e ganhou vários prêmios por seus trabalhos. Kelly Curtis (1956) tem uma carreira mais discreta.
Jennifer Jason Lee (1962) é filha de Vic Morrow (1929-1982) cuja morte trágica durante um filme de Spielberg e John Landis mudou a lei americana sobre trabalho de atores infantis. Ela também tem uma carreira consistente no cinema, que inclui prêmios internacionais. No ano passado, foi indicada ao Globo de Ouro de melhor atriz coadjuvante por Os oito odiados.
Na guerra publicitária, a imprensa americana elegeu Jane Mansfield (1933-1967) como a grande rival de Marilyn Monroe (que não tinha rivais). Um dos casamentos de Jane Mansfield foi com Mickey Hargitay, ex- Mr. Universo, com quem teve três filhos – Miklós (1958), Zoltán (1960) e Mariska Hargitay (1964). Mariska tornou-se atriz e alcançou o sucesso na série Law & Order S.V.U., que estrela desde 1999 e lhe valeu vários prêmios.
          Apesar da cara de natureza morta, Henry Fonda (1905-1982) era um bom ator, conquistou fama e um Oscar. Casou-se cinco vezes e de uma dessas uniões nasceram Jane (1937) e Peter Fonda (1940). Jane Fonda não precisa de apresentação desde que vestiu a pele de Barbarela. Em 1969 Peter Fonda a bordo de uma Harley Davidson proporcionou aos jovens da época uma viagem Sem destino (Easy Rider) em que mostrava a América distante de Hollywood.

 


Em matéria de contribuição com filhos para o cinema, Martin Sheen (1940) sai na frente: Emílio Estevez (1962), Ramon Estevez (1963), Charles Sheen (1965) e Renée Estevez (1967), que também é escritora. O sobrenome espanhol vem do nome verdadeiro do pai - Ramón Gerardo Antonio Estévez, filho de imigrantes – a mãe era irlandesa e o pai, espanhol. 


Um comentário:

  1. Esse tema rende bastante. Imagino que você ainda vai escrever outros artigos. Assim, de cabeça, me vieram à memória as irmãs Vanessa e Lynn Radgrave, filhas do lendário Michael Radgrave. E nos EUA, o clã Barrymore, cujo último rebento (Drew) eu adoro.

    ResponderExcluir