domingo, 22 de janeiro de 2017

ANIVERSÁRIO DE S. VICENTE

Muito antes de Martim Afonso de Sousa cruzar o Atlântico com a missão de tomar posse destas terras em nome do rei de Portugal, o florentino Américo Vespúcio (1554-1512) havia passado por aqui (expedição de Gaspar de Lemos em 1501) dando nome a todos os lugares que avistavam. Nem por isso se pode dizer que ele atribuiu seu nome ao novo continente. Essa é outra história. Vespúcio, por sua vez, não perdia tempo para escolher os nomes para os locais – usava o santo do dia.
Assim, em 1532, quando resolveu fazer uma pausa na viagem que empreendeu pela costa brasileira de Pernambuco até o Sul, Martim Afonso achou que seria bom começar a trabalhar e aproveitou o lugarejo denominado São Vicente, onde já viviam algumas pessoas, para fundar (oficializar) a primeira vila da colônia. Martim Afonso nem precisou se preocupar em escolher o nome. E 22 de janeiro é dedicado ao diácono espanhol São Vicente de Saragoça (século III d.C. –304). Assim, a vila tornou-se a “cellula mater” da nacionalidade.
A cidade mais antiga do Brasil completa 485 anos. Não há muito que se festejar. A cidade, que tem uma orla muito bonita, está praticamente abandonada. O turista quase nunca se importa com os problemas do cotidiano dos moradores locais. O município tem 332.445 habitantes. Além das praias, naturalmente, há o Instituto Histórico e Geográfico de São Vicente, com sede na bela Casa do Barão (Frei Gaspar, 280), Ponte Pênsil, a Igreja Matriz (Praça João Pessoa), Ilha Porchat, Mirante São Vicente, Biquinha de Anchieta e Parque Ecológico do Voturuá (Rua Anita Costa)

Benedito Calixto (1853-1927) pintou uma alegoria da fundação de São Vicente. A obra foi encomendada pela prefeitura da cidade em 1900. O artista vez duas versões do quadro, com algumas alterações. A primeira é da prefeitura e a outra faz parte do acervo do Museu Paulista (USP). 

Visão romântica do momento em que os portugueses celebram a visão do Paraíso de 
onde expulsariam os nativos que logo conheceriam o Inferno pela mão do colonizador. 


Nenhum comentário:

Postar um comentário