quinta-feira, 5 de janeiro de 2017

BOM RETIRO, SÃO PAULO.
Quem não conhece o Bom Retiro não conhece a cidade de São Paulo de verdade, embora milhões de pessoas já tenham batido perna pelo menos por uma rua importante do bairro: José Paulino. O bairro começou com a instalação do Convento da Luz, depois veio a ferrovia – São Paulo Railway – e com ela os cafeicultores que escolheram o lugar para construir casas elegantes, especialmente, por que era um “bom retiro”; mais tarde criou-se o primeiro parque público da cidade, o Jardim da Luz. Entretanto, se a ferrovia foi fundamental para o desenvolvimento da região, ela também acabou colaborando para o declínio dela. Quando o processo de industrialização teve início, foi nas imediações da estrada de ferro que as empresas se instalaram.
Em 1921 a Ford Motor Company instalou-se na Rua Solon esquina com a Rua Visconde de Taunay – onde ficou até 1953, quando mudou para a Vila Prudente. A economia não para e as indústrias cederam lugar às pequenas indústrias de tecelagem e comércio de confecções. Atualmente, o perfil do bairro se divide entre o comércio e o turismo cultural. A Barra Funda foi (e é ainda) um exemplo da diversidade de imigrantes que a cidade acolheu e acolhe: judeus, sírio-libaneses e coreanos, com espaço para uma forte presença boliviana.
 Um dia não é suficiente para explorar o bairro. A Estação da Luz é o cartão postal não apenas do bairro, mas da cidade de São Paulo. Este passeio dispensa automóvel. O metrô é a melhor opção e a Estação pode ser tanto a Luz como a Tiradentes, dependendo do roteiro. Que tal começar pela Luz, lado par da Avenida Tiradentes? Saída pela Rua Florêncio de Abreu, evitando a travessia da passarela das noivas (boa para fotos).
E por falar em noiva, já na saída do metrô há lojas com vestidos para noivas, madrinhas e debutantes, mas a Rua Mauá é logo na esquina e alguns metros à frente fica a Vila Inglesa (ou dos Ingleses) que vale a pena conhecer. Muito bem conservada, ela foi construída para abrigar os engenheiros que trabalhavam na construção da São Paulo Railway.
Após a visita retorna-se à Avenida Tiradentes em direção à Rua São Caetano, a famosa rua das noivas. Quase no final da rua há outra vila que vale a pena conhecer: a Economisadora, construída entre 1908 1915 durante o crescimento industrial da cidade e da região pelo empresário italiano Antonio Bochini em parceria com Sociedade Mútua Economizadora Paulista.
Novamente, Avenida Tiradentes. A Rua Jorge Miranda abriga um complexo da Polícia Militar do Estado de São Paulo, que inclui o Regimento de Polícia Montada “9 de Julho” (onde funciona desde 1993 o pioneiro Centro de Pesquisa e Desenvolvimento em Equoterapia para atendimento de pessoas portadoras de deficiência ou necessidades especiais). O Museu de Polícia Militar encontra-se em reforma. E finalmente, a Capela Militar de Santo Expedito.
Retorno à Avenida Tiradentes para conhecer, enfim, o Mosteiro da Luz, fundado em 2 de fevereiro de 1774 por Frei Luis Galvão, mantido e administrado pelas Monjas Concepcionistas Franciscanas da Ordem da Imaculada Conceição. Para os devotos a visita inclui Capela Frei Galvão onde se encontra o túmulo do primeiro santo brasileiro; a sala de distribuição de pílulas de Frei Galvão, loja de artigos religiosos e o memorial Frei Galvão com objetos de uso pessoal do religioso. Há ainda uma barraca com pães, doces e salgados preparados pelas irmãs do Mosteiro da Luz.
O Museu de Arte Sacra de São Paulo faz parte do Mosteiro. Ele foi criado graças a um convênio entre a Mitra Arquidiocesana de São Paulo e o Governo do Estado de São Paulo. O acervo é composto de quatro mil peças (imaginária sacra, prataria e ourivesaria religiosas, pinturas, altares e vestimentas entre outros itens) provenientes de capelas e igrejas paulistas e brasileiras. Há ainda o Museu dos Presépios, com destaque para o Presépio Napolitano com 1.500 peças. Há também uma coleção de numismática.
Fim da primeira etapa da excursão e há uma entrada para a estação Tiradentes ao lado do Museu. O lado bom desta sugestão é que se pode inverter tudo, eliminar o que não interessa muito para aproveitar mais em outros locais. Assim, o passeio pode começar pela estação Tiradentes, no Museu de Arte Sacra... Próxima parada: lado ímpar da Avenida Tiradentes. (Fotos: Hilda Araújo.)
Igreja de São Cristóvão.

Vila dos Ingleses
 
Igreja de Santo Expedito.


Vila Economisadora