sexta-feira, 10 de março de 2017

O BANHO, AQUI E ALI.


Conta a lenda que o herói grego Agamenon, que comandou a guerra contra Troia, foi assassinado pela mulher Clitemnestra com duas machadadas enquanto se banhava.



“Eureka!”– gritou Arquimedes de Siracusa (287-212) de sua banheira, no século III a. C. ao descobrir o princípio segundo o qual um corpo imerso em um fluido sofre uma força de empuxo igual ao peso do fluido que ele desloca.












Durante a Revolução Francesa, a simpatizante girondina Charlotte Corday matou o jornalista jacobino Jean-Paul Marat (1743-1792) na banheira, onde costumava ficar imerso em água fria para aliviar seus acessos periódicos de psoríase artrítica que o deixavam em carne viva. O pintor Jacques-Louis David imortalizou a cena em quadro que está no Museu Real de Belas Artes de Bruxelas (Bélgica).





Uma das cenas mais famosas do cinema mostra Janet Leigh gritando ao ser esfaqueada quando tomava banho de chuveiro. O filme é “Psicose” (1960), de Alfred Hitchcock.