quinta-feira, 6 de abril de 2017

DIA MUNDIAL DA SAÚDE
Segunda-feira, 6 de abril de 1970: comecei meu estágio no jornal CIDADE DE SANTOS, após uma entrevista relâmpago com chefe de redação Argemiro Pereira de Paula na semana anterior. Estava no último ano da faculdade, era extremamente tímida. Nilton Tuna, colega de classe e grande amigo até hoje, me falara da vaga de estágio. Durante a conversa De Paula aproveitou um momento de distração e colocou em minha bolsa um grampeador. Saí satisfeita por ter conseguido o estágio, mas em casa achei o objeto estranho, me assustei e voltei imediatamente para devolvê-lo. Divertido com a situação, contou para a redação que eu havia voltado para devolver o grampeador. Risadas gerais. Começava ali uma grande campanha contra a minha timidez, chefiada por Alci Souza, João Sampaio, Itamar Miranda e o próprio De Paula entre outras pessoas.
No dia 6, me apresentei ao chefe de reportagem Mário Skrebys que deu à repórter Ercília Pouças Feitosa, – desde então amiga de todas as horas –, a companhia da foca durante o dia de trabalho. Difícil de esquecer a data porque ela foi entrevistar o secretário de Saúde de Santos Áureo Rodrigues para uma reportagem sobre o Dia Mundial da Saúde (7 de abril). Acho que aprendi direitinho com ela as primeiras lições práticas da profissão, porque fui contratada em junho daquele ano.
Um dia importante porque encontrei um caminho do qual nunca me afastei e onde fiz amigos muito queridos. O jornalismo foi um grande aprendizado de vida.
Enfim, a Organização Mundial de Saúde (OMS) foi criada em 7 de abril de 1948, data escolhida para divulgar questões de saúde em âmbito mundial. O lema da campanha deste ano é “Depressão: vamos conversar”.