sábado, 1 de julho de 2017

NOTÍCIAS VOAM PELAS RODOVIAS
Se as redações de jornal caracterizam-se pela corrida contra o tempo – coletar informação, redigir, preparar e enviar para a oficina (gráfica), imprimir, distribuir e chegar à banca com o novo dia – como um jornal poderia ser produzido em uma cidade, impresso em outra e voltar a tempo de competir com publicação local? Este talvez tenha sido o desafio maior para todos os envolvidos na criação do novo diário.
O plano montado funcionou perfeitamente nos vinte anos de existência do jornal. Uma equipe de repórteres e copies produzia uma parte do material até 13 horas e um carro levava o malote para São Paulo por volta das 14 horas. A produção da equipe da tarde era levada para a redação paulistana pelo malote das 20 horas. Após um acidente grave na Via Anchieta, por um período esse serviço foi feito pela empresa Expresso Luxo, vizinha do jornal, que fazia o transporte de passageiros e de encomendas entre Santos e São Paulo em automóveis modernos em 40 minutos! A maior parte do frete era coberta com permuta de publicidade, graças a um acordo obtido por Caldeira.
A empresa FOLHA DA MANHÃ mantinha em Santos uma grande frota de veículos para a distribuição dos jornais do grupo no Litoral Paulista. Caminhões partiam de São Paulo de madrugada com as edições da Folha de S. Paulo, Notícias Populares, Gazeta Esportiva, Ultima Hora e CIDADE DE SANTOS e retornavam para a Capital com o encalhe. Os jornais eram descarregados na Rua do Comércio de manhã bem cedo e distribuídos por outros veículos que zarpavam para o Litoral Sul, Guarujá e Bertioga a toda velocidade. Tornaram-se famosos os carros amarelos da FOLHA DE S. PAULO e do CIDADE DE SANTOS que cruzavam as estradas do estado de São Paulo.
Fundamental nesse esquema diário de ganhar tempo eram a telefoto e o telex. Fotografias urgentes eram passadas para São Paulo por linhas telefônicas – num aparelho precursor do fax – num processo demorado. O telex começava a funcionar no início da tarde, transmitindo matérias para a secretaria paulistana, que funcionava a partir das 18 horas com um pequeno, mas importante, time: secretário, subsecretário, diagramadores, copies e office-boys. Cabia ao grupo preparar as páginas nacional e internacional, e acompanhar o fechamento do jornal junto à gráfica.
OFFSET DE PRIMEIRA
Em matéria de tecnologia, o jornal CIDADE DE SANTOS foi privilegiado. Com a decisão dos proprietários do grupo FOLHA de rodar o jornal em São Paulo, o novo diário dispôs do que havia de melhor em tecnologia de comunicação. No complexo da Alameda Barão de Limeira, 425 (Campos Elíseos), na Foto-mecânica, destacavam-se as rotativas GOSS URBANITE compradas nos Estados Unidos com financiamento do programa “Aliança para o Progresso”. Com elas o CIDADE DE SANTOS tornou-se o primeiro jornal brasileiro em offset. Na década de 1970, as GOSS URBANITE passaram a rodar ao lado da GOSS METROPOLITAN, última palavra no gênero offset. “Era fenomenal. Ela foi importada e a FOLHA DA TARDE teve a honra de estrear. Eram máquinas sem similar no Brasil, capazes de imprimir com excelência centenas de páginas em cores ao mesmo tempo” diz Ággio Jr.
O CIDADE DE SANTOS estreou a revolucionária “composição a frio” e, na década de 1970, seguiu a FOLHA DA TARDE na informatização da redação com os terminais de grandes “mainframes” importados.
No início de junho de 1967, o quadro de funcionários estava completo. JOÃO SAMPAIO DE MOREIRA NETO (“João Gordo”) fora selecionado nos testes coletivos. Apesar de recém-saído da Faculdade de Comunicações, era excelente e foi escolhido para a editoria de Política. O primeiro Secretário de Redação foi Fraterno Vieira, que teve carta branca para praticar suas concepções gráficas inovadoras.
Contrário a pautas por considerar uma camisa de força, Ággio Jr. conta que sugeriu dezenas de temas de reportagem. “Eram ideias e indicações simples, que a minha vivência profissional me permitia dar.” A equipe começou a preparar a edição inaugural. “Não lembro bem quantas páginas rendeu, mas foi inacreditável para uma equipe que, um mês antes, ouvira explicações até sobre o que era uma lauda.” As matérias locais foram elaboradas em Santos, enquanto as nacionais e internacionais correram por conta da Secretaria de São Paulo, graças à Agência Folha, Associated Press (AP), United Press International (UPI) e France Presse (AFP) e mais tarde a Reuters. “Custavam uma fortuna” – comenta Ággio Jr.
Textos e fotos (Geral e Porto) eram entregues à Chefia da Reportagem e aos editores de seções (Sindical, Esportes, Polícia, Variedades). Na Secretaria, o material passava pela copidescagem (norma: textos curtos e objetivos) e em seguida ia para a diagramação na banca integrada pelo Horley.
 “Depois de apenas 30 dias e sem rodar sequer um número zero, conseguimos por nas ruas a primeira edição do jornal CIDADE DE SANTOS.” A foto aérea da primeira página mostrava a orla da praia a partir da Ponta da Praia com a legenda: “Você está acostumado a ver Santos como nesta foto. Mas a partir de hoje vamos mostrá-la de todos os ângulos.” O exemplar custava NCR$ 0,15 ou Cr$150. Ággio Jr. não se lembra da tiragem, mas a venda foi um recorde superado apenas na edição de 1.º aniversário.
Ággio Jr. e Freddi com Esmeraldo Taquínio.