terça-feira, 8 de agosto de 2017

PEDAÇOS DE SÃO PAULO

Minhas visitas ao Bom Retiro começam pela Praça Coronel Fernandes Prestes (Estação Tiradentes do Metrô), que é muito bonita. Logo em frente à saída da estação vê-se o prédio da Faculdade de Tecnologia do Estado de São Paulo (FATEC). Um espaço histórico: naquele endereço morou o Marquês de Três Rios, Joaquim Egídio de Sousa Aranha (1821-1893), cujo solar foi adaptado em 1894 para acolher a Escola Politécnica, mas foi bombardeado durante a Revolução de 1924 e demolido em 1929, dando lugar alguns anos depois ao prédio atual.

Arborizada, fechada ao trânsito de veículos, a Praça é o endereço do Quartel do Comando Geral da Polícia Militar do Estado de São Paulo que fica em frente ao edifício Ramos de Azevedo, construído em 1920, e, desde 2000, sede do Arquivo Histórico Municipal “Washington Luís”. Entre os dois prédios, há dois monumentos: a estátua do coronel Fernando Prestes de Albuquerque (1855-1937), republicano e pai de Júlio Prestes (1842-1946), o presidente eleito derrubado por Vargas em 1930, e um memorial da participação da Força Pública (atual Polícia Militar) na Revolução de 1932. O que pouca gente sabe é que ali há um pequeno e belo jardim com um laguinho habitado por carpas coloridas. Ontem, o jardineiro cuidava das plantas, rodeado de passarinhos, enquanto pombos se divertiam num banho matinal, indiferentes aos peixes.