quinta-feira, 7 de julho de 2016

JÚPITER E JUNO

Agora vamos conhecer as intimidades do planeta Júpiter. No último dia 5 de julho, a sonda Juno chegou, enfim, ao seu destino – a órbita do maior planeta do sistema solar, após uma viagem interplanetária de cinco anos ao longo de 800 milhões de quilômetros. A equipe de cientistas da agência espacial norte-americana deu um toque romântico à missão, escolhendo o nome de Juno – esposa de Júpiter, deus dos deuses, na mitologia grega – para designar a sonda espacial. Esta Juno é inovadora, pois move-se com energia solar!
A sonda da NASA está equipada com sensores de infravermelho e ultravioleta, medidores de gravidade e radiação para as pesquisas e, nos próximos 20 meses, dará 37 voltas ao redor dos polos de Júpiter. Desvendar os mistérios de Júpiter (só enviando a esposa mesmo), entender melhor a formação do Sistema Solar e procurar por água são os principais objetivos da missão. Uma das cosequências práticas da missão para nós terráqueos é o desenvolvimento de novas tecnologias de painéis fotovoltaicos com aplicações terrestres, o que sem dúvida é extremamente importante.

Júpiter é visível a olho nu à noite e às vezes pode ser observado durante o dia, quando o Sol está baixo no horizonte. Ele tem quatro satélites, descobertos por Galileu em 1610: Io, Europa, Ganimedes e Calisto. 

Foto: NASA. Via Láctea e aglomerados de estrelas.

PARA MEDITAR


  •  A estrela mais próxima de nós (depois do sol) é a “Próxima de Centauro” e fica a uma distância de cerca de quatro anos luz, ou seja, 37 milhões de milhões de quilômetros!
  • A olho nu vemos apenas, aproximadamente, cinco mil estrelas: 0,0001% de todas as estrelas de nossa galáxia (Via Láctea).
  • A Via Láctea é uma entre mais de cem bilhões de galáxias que podem ser vistas com os telescópios modernos e cada galáxia contém em média uns cem bilhões de estrelas.


(Fonte: Uma nova história do tempo, de Stephen Hawking e Leonard Mlodinow, Ediouro)

Nenhum comentário:

Postar um comentário