terça-feira, 23 de maio de 2017

MMDC
           No dia 23 de maio de 1932 recrudesceram as tensões políticas entre São Paulo e o governo federal, especificamente contra a ditadura estabelecida por Getúlio Vargas em 1930 e exigia uma constituição para reger o Brasil. No confronto que ocorreu na esquina da Rua Barão de Itapetininga com a Praça da República na Capital, morreram Euclides Miragaia e Antônio de Camargo Andrade; os manifestantes se apossaram de um bonde e se dirigiram para a Rua Barão de Itapetininga e foram recebidos a tiros. Mário Martins de Almeida morreu e vários foram feridas.  Foram quatro horas de batalha e mais um manifestante morto: Dráusio Marcondes de Souza, um garoto de 14 anos. Martins, Miragaia, Dráusio e Camargo tornaram-se MMDC – sigla que nomeou a sociedade secreta criada no dia 24 para organizar a guerra paulista por uma Constituição e que eclodiu em 9 de julho. 
“Viveram pouco para morrer bem
morreram jovens para viver sempre."
Versos de Antônio Benedicto Machado Florence, mas também atribuídos a Guilherme de Almeida.

O movimento nunca foi separatista.

Obelisco de São Paulo: Mausoléu aos Heróis de 32. Projeto do escultor Galileo Ugo Emendabili (1898-1974), executado pelo engenheiro alemão Urich Edler. O Obelisco tem 70 metros de altura. Inauguração: 9 de julho de 1955. A entrada está voltada para a Avenida Vinte e Três de Maio, perto da Praça Ibraim Nobre (1888-1970), o tribuno do Movimento Constitucionalista.