sexta-feira, 9 de dezembro de 2016

HISTORIA Y... DICHOS DEL TANGO

Posso passar horas em um bom sebo. Especialmente, naqueles em que os proprietários não são meros comerciantes, mas pessoas apaixonadas por livros, que falam de suas descobertas e indicam raridades. Mas este foi um achado pessoal. Lá estava ele, amarelinho, manuseado e carregado de preciosidades sobre o tango. O autor é Jorge Omar Llanir, escritor, teatrólogo e novelista argentino, que se radicou no Brasil em 1969 – primeiro no Rio de Janeiro, depois em São Paulo, onde se credenciou no Sindicato dos Artistas e Técnicos em Espetáculos de Diversões no Estado de São Paulo, com o número 14.444 – conforme ele cita na orelha do livro Historia y... Dichos del tango (sem dados sobre a publicação).
J.C. Castagnino
Basta uma folheada para descobrir um pouco da história do tango – as lendas em torno dessa música que incendeia a imaginação das plateias e fascina o mundo – e das pessoas que lhe deram vida, inclusive Paquita Bernardo (1900-1925), a primeira intérprete feminina de bandonéon. Ela se apresentou em vários salões até ser contratada em 1921 para participar de um sexteto que incluía Osvaldo Pugliese (piano), Elvino Vardaro (violino), Vicente Loduca (flauta), Alcides Palavecino (violino) e o irmão Alcides Bernardo (bateria). Paquita compôs cerca de quinze músicas entre as quais La Enmascarada, que recebeu letra de Francisco García Jiménez e foi gravada por Carlos Gardel. Ela morreu de tuberculose ou, como se dizia na época, resfriado mal curado, antes de completar 25 anos.
Osvaldo Pugliese (1905-1995), Enrique Santos Discepolo são sem dúvida alguns dos grandes nomes do tango, mas a inovação do ritmo foi obra de Astor Piazzolla (1921-1992), criando evidentemente muita polêmica entre os tradicionalistas até se consagrar internacionalmente.
Charles Romuald Gardès ou Carlos Gardel, entretanto, continua sendo a lenda do tango e como toda lenda sua vida é revestida de mistério – a origem, a nacionalidade, a vida e a morte trágica em acidente de avião na Colômbia aos 44 anos em 24 de junho de 1935. Nesse curto período gravou cerca 900 músicas – de tangos a fados, fox-trots, fados e pasodobles. O corpo de Gardel está enterrado no Cemitério de La Chacarita (rua 33) e se tornou um ponto turístico de Bueno Aires, sem falar dos fãs que continuam a visitar o túmulo e a colocar um cigarro aceso entre os dedos da estátua de bronze em tamanho natural que lá se encontra.

Há um brasileiro entre os grandes nomes do tango – Alfredo Le Pera (1900-1935), que foi amigo e parceiro de Gardel. Le Pera nasceu no bairro do Bixiga em São Paulo, mas viveu na Argentina, onde trabalhou como jornalista, foi poeta, compositor e crítico de teatro. São de sua autoria, entre muitos outros, os tangos El día que me quieras, Por una cabeza e Mi Buenos Aires querido. Morreu no acidente de avião com Gardel. 

  
Fernando Botero

Domingo é o Dia Internacional do Tango. Um ótimo lugar para dançar em São Paulo: Tango B'Aires: Rua Amâncio de Carvalho. 23 - Vila Mariana. 

Nenhum comentário: